15/01/2015

Campanha visa erradicar a pobreza, combater a desigualdade e deter as mudanças climáticas

Fundação Abrinq participa de grande mobilização global da campanha action/2015, com mais de mil organizações em todo o mundo

Quase um bilhão de pessoas viveria em pobreza extrema se os líderes mundiais deixarem de tomar decisões importantes sobre os temas da pobreza, desigualdade e mudança climática. É o que diz algumas pesquisas recentes, como a realizada pela Universidade de Denver, nos Estados Unidos. Segundo o estudo, no ano de 2030, cerca de 4% da população mundial viveria em pobreza extrema (em vez dos 17% atuais), se medidas críticas forem estabelecidas a partir de 2015 e implementadas desde então.

Este alerta está sendo feito por mais de mil organizações em todo o mundo por meio da campanha action/2015. A ideia é incitar líderes locais e globais a tomarem medidas urgentes que detenham as mudanças climáticas causadas pelo homem, erradiquem a pobreza e combatam a desigualdade. Para isso, os líderes devem aproveitar a Reunião da Cúpula Especial da ONU sobre Desenvolvimento Sustentável, que vai acontecer em Nova Iorque no mês de setembro, e a Conferência sobre Mudanças Climáticas, que ocorrerá em Paris no mês de dezembro, para acordar metas mais ambiciosas. Se isso não acontecer, o número de pessoas que vivem na pobreza poderá, na realidade, aumentar para 1,2 bilhão até 2030.

A ganhadora do prêmio Nobel da Paz, Malala Yousafzai, divulgou uma carta afirmando que, apesar dos avanços, muito ainda precisa ser feito para que toda criança tenha certeza de que poderá ter um futuro melhor. “2015 precisa ser o ano em que o mundo acordará e garantirá um futuro mais justo e mais seguro para crianças e jovens. Todos precisamos fazer a nossa parte para que isso aconteça. Não deixe que essa oportunidade seja desperdiçada”, ressaltou.

Dezenas de ativistas de grande visibilidade apoiam essa coalizão de mais de mil organizações, presentes em mais de 120 países do mundo. A action/2015 é uma das maiores campanhas de toda a história, reunindo organizações ambientais, religiosas, de direitos humanos e de desenvolvimento. Contando tanto com nomes conhecidos, como a Anistia Internacional e a Save the Children, quanto com ONGs de base que trabalham junto a comunidades locais, o movimento visa garantir que os acordos firmados em 2015 sejam moldados pelo povo.

No Brasil, a Fundação Abrinq – Save the Children está mobilizando uma ampla coalizão nacional para que a sociedade brasileira saiba da importância que o ano de 2015 representa para a humanidade, já em parceria com as organizações Visão Mundial, Plan International, Aldeias Infantís SOS, ChildFund, Engajamundo, Coalizão Nacional de Jovens para a Agenda Pós-2015, a Mandalah e a 11:11ads+arts.

Fonte: Fundação Abrinq - Save the Children